Cuba · 3 Days · 13 Moments · June 2017

Viagem à Havana, Cuba


27 June 2017

(continuação) Outra coisa extremamente engraçada que presenciamos foi o uso da Internet. Ao andar pela cidade do nada aparece um aglomerado de pessoas sentadas mexendo no celular o que significa que aquele local é uma zona de wifi. Para conseguir acesso é necessário comprar um cartão de Internet que custa 3CUC, ele funciona por uma hora, e você precisa estar em uma dessas zonas para conseguir se conectar. Se for em horário de pico, dificulta mais ainda pois a rede congestiona e se torna bem mais demorado para conseguir conexão, e além do mais, a Internet fica caindo direto.
No geral uma experiência que valeu a pena. Nunca tinha visitado um lugar como Cuba, mas não sei se voltaria. Tudo muito caro, a pobreza da população é muito grande, no entanto, realmente não presenciamos e não soubemos de nenhuma história de assalto ou algo do tipo. Eles se presam de não pedir dinheiro, na verdade acho que eles não podem, mas o que eles fazem a acaba se tornando pior. No segundo dia perguntamos a um cidadão que estava sentando na calçada onde poderíamos comprar água, e ele gentilmente nos levou a uma venda onde vendia, depois disse que nos levaria num lugar pata escrever o endereço de um clube de salsa, semore afirmando que fazia sem pedir nada em troca. No entanto, no final de tudo insistiu que comprassemos leite para ele o que custou 10 CUC. Ou seja, não se enganem eles pedem. Outra coisa um pouco irritante é a oferta de táxi. Voce não pode estar andando em lugar algum, que de 5 em 5 minutos passa um carro do seu lado perguntando se você não quer taxi.
Passa nos um certo apuro com relação a comida em Cuba. Os pratos típicos de lá são os frutos do mar, principalmente lagosta e Camarões, e a chamada "roupa Vieja" que seria algo como uma carne de panela. Essas comidas teoricamente parecem muito boas, mas na prática isso não é verdade. As comidas não são muito temperadas, faltando inclusive sal, e os frutos do mar não são frescos Resultado, depois de dois dias sofrendo, incluindo um dia em mainha deixou o prato cheio de lagostas e Camarões e não conseguiu comer. Depois disso passamos a comer pizza, pois era mais garantido, e mais barato. Dependo do restaurante era possível comprar pizza por 3 a 6 CUC. O atendimento sempre era terrivel, os garçons ficavam conversando, uma vez demorou 10 minutos para sermos atendidas, e sempre falavam rápido e ríspidamente. A água de garrafa de Cuba tem um gosto extremamente estranho, como se fosse salgada.
Fortaleza de Los três Santos Fica do "outro lado" de Havana, por isso pegamos o ferry para ir. Custou 10 centavos, mas fomos parar no lugar errado e tivemos que voltar para pegar outro ferry. A Fortaleza é muito bonita, construindo no século 15, se pode entrar e desbravar o local. No caminho para a Fortaleza passamos pelo local onde ficam os mísseis russos que foram responsáveis pelo agravamento das tensões entre EUA d URSS durante a guerra fria.
Playas Del leste Pegamos um ônibus no centro da cidade e fomos em direção as playas Del leste (pagamos 5 CUC por pessoa, ida e volta). As praias ficam em torno de 30 a 40 minutos de Havana. Decidimos descer no último ponto que é a última praia de Santa Maria. A praia tinha aqueles sombreiros e cadeiras para alugar, e diferente da maioria das praias do Brasil não tinha "barracas" com comidas e bebidas. A água perto da areia era límpida, e a medida que ia se afastando da Costa ia escurecendo. Água gelada mas muito agradável.
Avenida Malecon e El Vedado Saímos caminhos pela Avenida Malecon, pois queríamos ir até o bairro de El Vedado (famoso pelos bares e restaurantes, também conhecido como Havana nova). A caminhada é extremamente agradável, com uma visão muito bonita do "sky line" de Havana. Várias pessoas ficam pescando nesse trajeto. O bairro de El Vedado realmente é mais agradável do que Habana central, as casas são maiores, as ruas mais largas, mais arborizado,é um bairro essencialmente residencial. Fomos ainda na sorveteria "Copelia", a qual, com perdão da palavra, parece uma representação do apartheid. As pessoa que usam a moeda local (CUP), que são os cubanos ficam em um local da sorveteira, e os turistas que pagam com (CUC) ficam em outro local, numa sala com ar condicionado e nenhuma janela, experiência muita estranha, mas uma boa representação do que acontece em Havana. Separacaode turistas e locais, com os turistas sempre pagando mãos caro.
Havana Vieja O lugar mais interessante da cidade. Local rodeado de locais famosos como o bar floridita (local famoso por conta de Hemingway), assim como o boteco Del médio. As ruas são becos, (sendo a rua mais famosa a "calle obispo") entupidas de turistas olhando as construções do século passado, como a catedral, a Plaza Vieja, o convento de São Francisco, a Plaza das armas, a Fortaleza da "real fuerza". Inúmeros restaurantes tem música ao vivo, e pode se escutar a música tradicional cubana. Fica por essa área ainda o museu do rum, vários hotéis e lojas de roupa.

25 June 2017

Praça de John Lennon A primeira pergunta que se faz, esteve John Lennon em Cuba? A resposta é não kkkk O guia nos explicou que nos anos não era permitido pelo governo escutar músicas como as do Beatles, então os jovens se juntavam para escutar essas músicas nessa praça. Nos anos 2000, o governo decidiu homenagear aquela geração de jovens e construiu a estátua de John Lennon e mudou o nome da praça.
Praça da revolução Local onde fica o momento de San José Martí, e os murais de Che Guevara e Fidel Castro. Ao redor estão o palacio do governo, e os ministérios.
Tour pela cidade no carro conversível Foi um dos passeios mais legais que já fiz, o clima de se estar num carro conversível, antigo (de 1949), escutando música cubano e com o sol no céu é muito bom, sensação maravilhosa! O passeio dura em média uma hora, com duas paradas- na praça da revolução e na praça de John Lennon, e custou 25 CUC para as duas (depois da pechincha de sempre de mainha).
Capitólio Estrutura enorme, baseada na arquitetura do Capitólio de Washington, e segundo o guia foi construído com um metro a mais de altura e um metro a mais de largura do que o de Washington. (complexo de napoleão?) Não foi posso entrar estava fechado para reforma.
Teatro Nacional Arquitetura muito bonita, e pomposa. No entanto só se pode entrar para visitar de calça (algo impossível de fazer nesse calor).
Um dos hotéis mais estranhos que já fiquei hospedada. A entrada faz parecer que o hotel foi reformado recentemente, no entanto o cheiro de mofo toma conta do ar. Os atendentes são extremamente grosseiros, e nenhum fala inglês. O quarto tem duas camas, com uma sacada, exalando o cheiro peculiar de mofo também. O banheiro é o pior, as toalhas estão úmidas, e, mais uma vez com cheiro de mofo. Foi o hotel mais caro da viagem (850,00 reias), e um dos piores hotéis que já fiquei na vida. O café da manhã é composto de cereal, pão e ovo, e impressionantemente foi a melhor refeição que fizemos até agora.